Porque deverá (continuar a) investir em ouro

Está pensar investir em ouro? Teme que a tendência seja passageira e que a onda do ouro como bom investimento já esteja no seu declínio? Pois nós achamos que o ouro está cada vez mais atrativo e que ainda existem fortes razões para continuar e multiplicar os seus investimentos em ouro.

Investimento em ouroDessas razões para continuar ou começar o seu investimento em ouro lhe damos conta de seguida.

De 2011 pode-se dizer que o apelo do ouro foi enorme e que o metal precioso emergiu como o porto de abrigo a que muitos investidores recorreram num ano caracterizado pela turbulência nos mercados como nunca se tinha visto desde 2008.

O ouro atingiu um novo máximo de mais de 1900 dólares por onça e não se pode dizer que este facto constitua uma surpresa já que a revisão em baixa do rating dos Estados Unidos da América e os cada vez mais fundamentados receios de incumprimento por parte da Grécia foram achas mais que determinantes numa fogueira de incerteza reinante.

preço do ouro subiu de cerca de 1400 dólares por onça no início de 2011 numa subida de mais de vinte por cento. O ouro já viu o seu valor duplicado desde a última crise financeira de 2008, quando era negociado na altura a oitocentos dólares.

E esta valorização deve-se essencialmente à crescente procura que o considera um investimento seguro.

São aliás vários os adjuvantes nesta teoria de valorização acentuada do ouro e de crescente atratividade, que tentaremos descrever de seguida.

Pressão inflacionista puxa ouro para cima

A ameaça da inflação parece destinada a conservar o fascínio pelo ouro como uma proteção contra ela mesma. A inflação geralmente é entendida como uma razão para se comprar ouro, sobretudo porque as pressões inflacionistas, desde a década de 90 do século passado têm sido favoráveis nos países desenvolvidos.

A nível global, os preços sobem comandados pelos sectores da alimentação e da energia.

Falta de solução para a crise da dívida pública mantém ouro desejável

Efetivamente parece não existir uma solução próxima e convincente para a crise da dívida na Zona Euro e os receios persistirão até que um desfecho crível para os défices, a dívida, os resgates e o próprio projeto do Euro enquanto moeda única e forte da união seja encontrado.

Procura de ouro físico é forte

Numa terceira ordem de razões pode-se ainda invocar que a procura pelo ouro físico permanece forte, muito em particular nos mercados emergentes. Dê-se como exemplo os casos da China e da Índia, onde a procura por joalharia, barras de ouro e moedas na China e na Índia tem aumentado consideravelmente, provavelmente motivada pela queda nos mercados imobiliários asiáticos que deixou muitos investidores asiáticos à procura de uma reserva de valor, e de proteção contra a inflação também crescente nesses países.

Registe-se até que a procura mundial de ouro subiu seis por cento no terceiro trimestre de 2011 – um recorde histórico.

Compras de ouro por bancos centrais

Outro aspeto que justifica a atratividade do ouro é o facto dos bancos centrais de variados países andarem a comprar ouro. São os casos da Tailândia, da Turquia, e da Bolívia bem como outros países em desenvolvimento que têm tentado aumentar as suas reservas de ouro.

A China tem comprado imenso ouro a Hong Kong, mais 600 por cento do que era costume e a Coreia do Sul comprou ouro em Agosto passado e pela primeira vez nos últimos treze anos.

A produção de ouro (mineração) tem procurado crescer para dar sustentar esta demanda, mas pesem esses esforços, a oferta apenas cresceu dois porcento no terceiro trimestre de 2011 e não se avizinham acréscimos exponenciais na oferta que possam desvalorizar o preço do metal precioso.

Riscos do investimento em ouro

Como em tudo, também haverá com certeza riscos ao investir em ouro.

Um decréscimo da inflação ou um aumento das taxas de juros diminuiria esta atratividade crescente do ouro, no entanto a imperiosa necessidade de se encorajar a atividade económica insinua que muito dificilmente um cenário de descida de inflação e aumento dos juros será uma realidade nos próximos tempos.

O Banco Central Europeu tem vindo a reduzir a sua taxa de juro e a Reserva Federal Norte Americana continua empenhada em taxas de juros quase nulas. No Reino Unido, a taxa de juro anda à volta do meio ponto percentual desde meados de 2009, sendo a taxa de inflação dez vezes superior.

Outro risco latente quando se investe em ouro é a correlação do valor do metal amarelo com a  cotação do ouro em dólares americanos.

Há algum risco cambial na medida em que o preço do ouro tende a descer quando a cotação do dólar sobe, e reciprocamente.

Como vê, continuam a existir muito boas razões para fazer um  investimento em ouro ou para ver o seu ouro usado a ser valorizado nos próximos tempos.

 

Deixe um comentário