Boa Fé com concentrações 1.57 gramas de ouro por tonelada

concentração de ouroA Colt Resources, de quem aqui muito lhe temos falado por estar a realizar prospeções de ouro no Alentejo, indicou hoje mesmo que uma estimativa da empresa independente SRK Consulting aponta para concentrações de ouro na ordem das 1.57 gramas por tonelada na região da Boa Fé, no concelho de Évora.

A empresa canadiana confirma a viabilidade económica da concessão experimental de ouro na região que inclui a herdade da Chaminé e a zona de Casas Novas.

Segundo a SRK, os recursos minerais da Chaminé e de Casas Novas foram estimados em 4233 milhões de toneladas com um grau médio de 1.57 gramas por tonelada de ouro (classificados como recursos minerais indicados), e com 209 mil toneladas adicionais com um grau médio de 2.36 gramas por tonelada (classificados como recursos minerais inferidos).

A classificação de “recursos indicados” refere aquilo que já foi testado por análises e estudos geológicos, enquanto os recursos inferidos são assim classificados por dizerem respeito a depósitos ainda por explorar.

A Colt adianta que estes recursos relativos ao projeto na Boa-Fé estão francamente acima da fasquia dos 0.40 gramas por tonelada de ouro (g/t) e contidos em poços economicamente suscetíveis de serem explorados.

Já as zonas com concentrações de ouro inferiores a 0.40 g/t é que não devem ser exploradas.

O CEO da Colt, Nikolas Perrault, diz estar confiante de que o projeto Boa Fé/Montemor se desenvolverá numa região mineira a nível mundial, planeando a sua empresa acelerar o programa de perfurações durante este Verão e realizar uma nova estimativa de recursos no primeiro trimestre de 2013.

A região da Boa Fé foi explorada de forma não contínua nos últimos vinte anos.

Na década de 1950, foi identificado ali mineral de ouro, que no entanto foi ignorado até aos anos 1980, altura em que diversas empresas começaram a testar o seu potencial.

Uma década volvida, a exploração de ouro na Boa Fé foi abandonada devido à queda dos preços do ouro no mercado mundial.

 

Deixe um comentário